Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
Saltar navegação
Verão e Saúde
Na Primavera/Verão ocorrem com frequência temperaturas elevadas, podendo existir efeitos graves sobre a saúde, incluindo desidratação e descompensação de doenças crónicas. Nesta época são ainda relevantes os acidentes, os afogamentos, as toxinfeções alimentares, o aumento da população de vetores, nomeadamente mosquitos e carraças e os incêndios. O potencial aumento da morbilidade pode conduzir a um aumento da procura dos serviços de saúde.
Nesta altura do ano, algumas zonas da Região Alentejo aumentam a sua população devido aos movimentos sazonais ligados ao turismo e/ou à ocorrência de eventos de massas habituais ou esporádicos.
 
A Direção-Geral da Saúde (DGS) promove a implementação, desde 2004, de Planos de Contingência com o objetivo de minimizar os potenciais efeitos do calor intenso na saúde da população.
 
O Plano Regional da Administração Regional de Saúde do Alentejo está alinhado com o Plano Nacional e apresenta as orientações estratégicas que permitem comunicar o risco e a gestão desse risco à população e aos parceiros do setor da saúde, e capacitar os cidadãos para a sua proteção individual (literacia) e a prontidão dos serviços de saúde para a resposta ao aumento da procura ou a uma procura diferente da esperada.

A disponibilidade de informação, em tempo útil, sobre as previsões meteorológicas e sobre a procura dos serviços de saúde a nível dos cuidados de saúde primários e hospitalares em cada região, permite à Administração Regional de Saúde e a cada unidade de saúde uma adequada preparação da sua resposta.

O Plano é ativado entre 1 de maio e 30 de Setembro e eventualmente noutros períodos em função das condições meteorológicas verificadas. É coordenado a nível nacional pela Direção-Geral da Saúde e a nível Regional, pela ARS Alentejo.
 
Compete à ARS Alentejo a elaboração e implementação dos planos regionais na sua área de intervenção, coordenando com a DGS e com os serviços de âmbito regional e local, promovendo a concertação e a articulação interinstitucional.
 
Cada unidade de saúde tem um plano específico que contempla as medidas ajustadas ao seu nível e área de intervenção. Ao nível local a resposta envolve os serviços de saúde e os serviços locais de apoio social e de proteção civil.